domingo, 11 de janeiro de 2009

Nada não

Quando você olha, olha, olha. Aí quando a pessoa te pergunta "que é?", você respira fundo pra dizer:

"É que eu não consigo parar de olhar seus olhos, não consigo deixar de imaginar que você e eu poderíamos afinal viver alguma coisa bonita, nem que essa coisa bonita fosse o mais puro e simples sexo selvagem e gratuito. É que eu não consigo deixar de pensar que afinal você não é feliz do jeito que você tá, eu sei disso, eu te conheço e tenho essa certeza, e eu sei que você pode ser feliz comigo, porque a gente tem muita coisa em comum, você é a minha vida em comum, deixa eu viver junto com você?

Eu não consigo deixar de te desejar a cada minuto, não consigo simplesmente imaginar que vou ter que te ver todos os dias ao meu lado, sempre contando piadas novas, sempre sorrindo todos esses dentes brancos, sempre desfilando esse charme pra cima e pra baixo, e eu ter que aguentar isso tudo como se fosse a coisa mais normal do mundo. Mais normal do meu mundo, que eu queria tanto que fosse nosso.

Eu tô te encarando porque eu quero que você veja nos meus olhos, bem no fundo dos meus olhos, o que eu vejo a todo momento nos seus, aquilo que eu preciso pra acalmar a alma e esquentar o coração. Porque você é justamente a pessoa que eu sempre esperei ter, mas você não sabe, e acredito que você não queira, porque você tem o seu amor já, que é exatamente tudo o que você sempre esperou ter. Mas eu ainda acredito que um dia você verá que tudo o que você sempre esperou ter é muito pouco, e que você merece ter muito mais.

Vem comigo, vamos pra casa, eu preparo um café que eu sei que você adora, ou um choconhaque bem quente, pra gente já esquentar nossos ânimos, e aí a gente assiste algum filme, só pra gente brigar depois e discutir nossos pontos de vistas sempre tão opostos, mas que acabam se conciliando. Seja assim na cama comigo, meu oposto que acaba me conciliando. Venha comigo e façamos o nosso próprio filme, a nossa própria história, o nosso próprio começo feliz."

Aí você solta o ar e acaba dizendo apenas... "nada não".

[eu sei que alguém vai se reconhecer aqui. sorry! eu não resisti...]

9 comentários:

neutron disse...

Quero explicações.

Andarilho disse...

Era eu? Pq sim, eu me reconheci (feitas as devidas adaptações)

Pamela disse...

Sim Ana, eu me reconheci.

Piero M. disse...

Certas coisas as vezes precisam ser ditas, mesmo que a consequencia possa ser um beijo carinhoso ou um tapa na cara.

Faz parte do show engolir as palavras na hora "h", mas todas elas? hahahaha

Agora, aqui com meus botões, dizer tudo isso envolve a espera por um resultado positivo. Não sei como eu reagiria se o resultado fosse o contrario

Chico Mouse disse...

Caracas! Parece o Chico Mouse de anos atrás. Hummm, pensando, eu nem conseguido dizer nada... :P

Márci disse...

Se eu não te conhecesse bem não saberia da possível inspiração para esse post...Mas eu acho que eu sei.

Ana....Ana.....Cara de bananaaaaaa !! kkkkkkkkkkk !

koster disse...

Tem poucos pontos a mudar, para ser o que penso nessa ocasião.

jujudeblu disse...

Meo, em partes, eu me reconheci!
Em partes porque eu acho que talvez eu nunca tenha tido tudo isso pra dizer pra uma pessoa...

Enfim!

Como disse a Márci, eu também acho que eu sei qual foi a tua inspiração! hahahahahahahahaaha

Ai ai...

Ana P. disse...

Neutron: digamos que você já conhece as explicações. Relaxa, xuxu... relaxa. Você é sempre o primeiro a saber, lembre-se disso!

Andarilho: acho que você tb foi um pouco inspiração. Na verdade, tive muitas inspirações. Eu uma delas, inclusive.

Pam: que bom! ou não... pq eu sempre acho que o melhor é falar alguma coisa. Verbalizar. Às vezes quando a gente solta a bucha é que percebe que o sentimento, afinal, não era TÃO grande assim. Uma coisa meio platônica!

Piero: esse acho que é o problema, nós nunca queremos a resposta negativa. O que é um paradoxo, porque afinal, como minha hermana sempre diz pra mim, o "não" a gente já tem. O que a gente tá arriscando, na verdade, é o "sim". E talvez seja esse o meu, o seu e o nosso medo.

Chico: rapaz, essa sou eu de anos atrás, dias atrás, de hoje e de dias amanhã! Incrível, por mais que eu queira, pouca coisa muda! ¬¬

Márci: assim... eu imagino o que você tenha imaginado [uia!]. Mas não, não foi pra ele. Não foi, de fato, pra ninguém que eu conheça no momento. Pega essa e decifra. Você anda meio devagar nos últimos dias mesmo.

Koster: Foda... aliás, se fosse foda tava bom. Nós blogueiros, pelo visto, temos um ponto bem em comum: a timidez.

Juju: a gente sempre exagera o sentimento, mas seria mais ou menos isso mesmo. Amor platônico, beibe. E não, não é pra quem vc também está pensando! Incrível como minhas amigas me acham óbvia! HAHAHAHAHAHAHAHA!!!

Beijos na clavícula, people! Adoro os comentários de vocês! ^_^