quarta-feira, 23 de outubro de 2013

déjà vu

a vida é meio como qualquer jogo de videogame ou candy crush da vida. algumas fases são mais fáceis, outras são tão complicadas que dá vontade de desistir. mas a vontade de chegar no final e ver no que vai dar é maior. também não teria a menor graça se tudo fosse muito fácil; não ia prender muito a atenção. tampouco seria divertido sendo todas as fases complicadíssimas. provavelmente desistiríamos na primeira delas.

antigamente, quando a gente queria passar de alguma fase e não existia a internet para nos ajudar, a gente tinha que ligar no suporte e pedir um help pra moça ou pro moço do outro lado da linha. eu fiz isso com alexx kidd, lembro bem, na última fase tinha que pular numas pedras do tipo sol, lua, estrela e sei lá o que mais. se errasse o código, era uma vez. a moça que me atendeu no suporte foi muito legal me passando o código correto e então eu pude finalmente salvar o jogo (sequer lembro como era o final).

hoje em dia tem mil e um fóruns na internet que explicam com riqueza de detalhes como vencer cada etapa dos jogos de videogame, que inclusive estão a cada dia mais modernos e realistas. mas e pra vida? como a gente faz pra passar de uma fase que parece não passar? uma fase que a gente até quer passar, mas sabe que lá na frente será tão ou mais difícil do que agora? como sentir vontade de ver o fim do jogo quando ele parece tão previsível?

eu queria que minha vida fosse um jogo de videogame: instruções detalhadas sobre como passar dessa fase, poder pausar, dormir e continuar o jogo um outro dia em que eu estiver mais afim da brincadeira. queria que a vida pudesse mudar do modo very hard pro very easy e eu apenas fosse passando as fases sem sofrer tanto. queria que no meio do jogo a gente pudesse mudar de ideia, de personagem, de história, de rumo.

e queria, acima de qualquer coisa, que eu pudesse mudar o final desse jogo. mas é tão previsível. eu já passei por aqui antes.

Um comentário:

Selph disse...

Dica: salvar o jogo.