sábado, 7 de fevereiro de 2009

E então ele disse...

Eu queria nesse momento poder dizer pra você que eu quero te abraçar, te deitar no colo, ser o seu eterno cafuné. Queria te dizer agora que tudo o que você sofreu em silêncio valeu a pena, porque foi o que eu também chorei por dentro. Queria te dizer que é tudo verdade, que o amor é verdade, que a saudade é verdade, que o tempo perdido foi verdade, mas que de agora em diante, nós teremos um ao outro, eu a você e você a mim.

Eu desejava te desejar da mesma forma que você me deseja, queria te olhar com os mesmos olhos que você me olha, queria querer. Mas não quero.

Eu gosto de você, admiro você, te acho linda, e uma mulher com quem muitos homens iriam dar a mão pra poder se relacionar. Eu sou grato por poder me relacionar com você do jeito que a gente se relaciona. Eu achei o máximo o dia que a gente até tentou alguma coisa mais carnal, um sexo apenas entre amigos, e que bom que nossa amizade não morreu ali. Por isso eu quero continuar, mas não quero que nada disso afete o amor fraterno que eu sinto por você.

E tenho certeza que é o mesmo amor que você sente por mim. Vai, me dá a mão, vambora, nada vai mudar entre a gente. Eu que te peço, não desista desse amor que eu tenho pra te oferecer, pode parecer pouco agora, mas você vai perceber que é o amor que merecemos. É o que podemos viver.

É o que eu quero viver com você. Me perdoa por não retribuir?

[vida amarga... como é doce a dor da palavra dita de tão longe]

*** ***

7 comentários:

Andarilho disse...

Agora eu quero saber o que ELA fez...

Márci disse...

Seus últimos textos com dramas românticos meio que me assustam...Mas tb me agradam....São doces e tristes...

koster disse...

Você passa por transes psicodélicos neh? XD
Concordo, seus textos románticos me hamedrontam com "h".

Ana P. disse...

Andarilho: não vai ser uma série, perceba. Pensa assim, as coisas ficaram por isso mesmo, ela continuou amando e ele continuou amigo. Não houve mais sexo. Fim.

Má: meus dramas românticos se baseiam nos dramas românticos que eu imagino viver um dia. Por isso coloco no papel ou na tela, para que eles não venham a acontecer tão cedo.

Koster: eu tenho problemas mentais dos mais variados, beibe, ainda num tinha percebido?

Beijos no corpo, chega de romancezinho!

Andarilho disse...

que tristeza... sem sexo...

=P

neutron disse...

Doce tristeza... doce pra quem vê, né? :*

Ana P. disse...

Andarilho: pois é, que tristeza...
Eu que sei!

Neutron: vc me entende, que bom... doce pra quem vê, pra quem vive, ela tá mais pra amarga.