sábado, 2 de maio de 2009

Madrugada de sexta

Acordando, 22h30. Não que eu tenha dormido desde seis horas da manhã até agora. Claro que não. Seis horas da manhã eu estava acordando para ir cobrir uma pauta na Praça da Sé. Foi divertido, mas cansativo.

Enfim, acorda 22h30, come uma esfiha fria que a sua irmã pediu e não te chamou pra compartilhar [bom, você estava dormindo desde às 19h]. Senta no sofá, liga o notebook e espera a epifania. Alguma que irá te revelar que aquele não é o lugar que você precisa estar. Que você pode fazer e ser algo diferente. Fale na terceira pessoa também, isso te faz parecer mais... cult.

Eu abri a página do Blogger. Agora eu vou escrever, sei que vou ter a epifania da escrita, já que a do amor, a da vontade que eu tenho de abraçar, de deitar no colo e dizer que tudo vai ficar bem, essa epifania convive comigo vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana. Não, nem pra escrever. Um dia produtivo, cheio de novas descobertas sobre mim mesma, e cheio de discussões e debates, e aprendizados e aprendizagens... e nada disso me faz tirar você da cabeça.

Não, eu tirei, eu decidi, esquece essa história de amar e ser amada, isso é para os fracos. Felicidade é para os fracos.

O que eu quero é me dedicar à carreira profissional. Que carreira?

Vamos tentar o twitter, 140 caracteres não exige muito da gente. Bobagem. Como dizer em tão poucas palavras tudo aquilo que eu entalo na garganta a cada vez que eu olho pra você? Não, não vou twittar. Vou... esquecer, é isso. Cerveja. Tem cerveja na geladeira.

A família toda já foi dormir, é uma hora da manhã. Não estou conversando com ninguém no MSN, estou na frente da tevê, com a tela do email aberta há mais de uma hora tentando escrever um email de agradecimento à galerê que trabalhou comigo hoje. Um email de agradecimento às pessoas com quem eu converso todos os dias, nem isso eu tô com capacidade pra fazer. É tudo tão difícil, porque seria fácil assumir o que sinto? Se é que sinto alguma coisa.

Nada na televisão, o que eu tô assistindo mesmo? Ah, MTV, vai... Marco Mion. Ele é engraçado, ele me faz rir. E olha, ele tá com a trupe dos Improváveis, certeza eu vou rir. Mas por um motivo ou outro, plena uma e meia, duas horas da manhã, meu MSN resolveu movimentar de novo. Por algum motivo que foge à minha capacidade de compreensão humana, eu consigo facilmente resolver os problemas de todo mundo. E para todos, meus problemas parecem fáceis.

Já me disseram isso. Deveríamos então trocar de problemas. Deveria ser tipo uma feira livre, como é que chama? Bah, esqueci. Mas é uma feira onde todo mundo vende as coisas mais barato, e algumas pessoas trocam coisas velhas e quebradas por outras coisas velhas e quebradas. Deveria existir um mercadão dos problemas. Aí se eu acho que seu problema é fácil, e você acha que meu problema é fácil, a gente troca de problemas.

Acredito que isso não daria certo, de certa forma, a partir que o problema fosse nosso, ele se tornaria, milagrosamente, difícil de resolver.

Três horas da manhã. Já até tentei dormir. Engraçado que eu cheguei em casa hoje tão cansada, que acreditei que ia dormir e acordar só amanhã, meio dia. Acordei às 22h, depois de quatro horas de sono, e não consegui dormir novamente até agora. Eu deito, pensando que vou dormir, e não durmo. Chego na cama, olho pra janela, vejo o céu lá fora, e me parece tão perda de tempo dormir. Mas se eu não dormir, o que vou fazer?

Vou postar.

Estou fazendo isso há exatas três horas e sete minutos. Agora são 04h07, e eu ainda não sinto a menor vontade de deitar. Daí na MTV ainda estão passando clipes. Coincidência [e mais uma piada interna], olhei pra tevê again e tá passando o clipe do Gabriel o Pensador, "Dança do Desempregado".

A vida é engraçada mesmo...

Coincidências, coisas que a gente fala um dia e algumas horas depois, acontece. Eu falo que quero um amor, por que então ele não acontece?

Eu quero um amor?

Isso aí são devaneios. Talvez seja o sono chegando. Talvez seja as duas latinhas de cerveja fazendo efeito [como se eu fosse fraca assim]. Talvez sejam as lembranças me atormentando. Talvez sejam as dúvidas me corroendo. Talvez seja a vontade me martirizando. Talvez seja o medo me impedindo. Talvez sejam as neuras me enganando. Talvez seja o cansaço me entorpecendo. Talvez seja a desistência.

Talvez seja isso que eu esteja ensaiando pra dizer há tanto tempo, tentando me convencer há tanto tempo, e não consigo. Não consigo simplesmente desistir. E uma questão se mantém em minha mente desde sempre, mas só há pouco alguém fez questão de me lembrar:

[e pra que você quer um coração, se você não vai dá-lo pra ninguém?]

[e a verborragia teve início 00h50, e finaliza agora, 04h23. durmam bem]

13 comentários:

iilógico disse...

mas e aí? foi boa esta madrugada? valeu ficar acordada?
talvez...
tô indo trabalhar

bj

Ana P. disse...

Uns indo dormir, outros indo trabalhar... hahahahahahahaha, a vida não é engraçada?

É, meu caro iilógico... sempre vale a pena. Ou não. Bah, sei lá! Hoje valeu. Amanhã eu já não sei. Vejamos a hora que eu acordar. Ou seja, daqui a pouco.

O horizonte começa a clarear... por isso sempre vale a pena.

Andarilho disse...

Isso aí é paixão. Não adianta negar, conheço esses sintomas.

E falar na terceira pessoa não te faz parecer cult, te faz parecer mais louca, hauhauhauh.

Marazzo disse...

Dizem, alguns, que a madrugada foi feita pra dormir. Seguindo esse conceito básico, dormimos. Afinal ninguém quer parecer muito careta ou fora de moda. Mas se pensar bem, as melhores coisas da minha vida acontecem de madrugada! Minhas melhores noitadas, minhas melhores postagens, as melhores comidas, cara eu nasci de madrugada!

Mas e ai, se vc dormisse eu não teria me divertido lendo esse post. Oq me leva a um outro ponto importante:

-"...é feio rir dos problemas que afetam a outro."

-"é?"

-"é sim..."

Mas sabe, não ri, apenas gostei muito da verdade com a qual vc escreve. E se tratando de amor, estou tão mal servido quanto vc. Talvez ser feliz seja mesmo para os os fracos!
Deixe que se deleitem dessa propriedade tão bem empregada. Enquanto nós, os fortes, ficamos assistindo de camarote, doidos pra enfraquecer. kkkkk.

Fique bem =)

Ana P. disse...

Andarilho: que espécie de paixão é essa que não tem um alvo certeiro? Cansei dessa vontade de paixão, vontade de amar, vontade de... cansei mesmo. Eu devia tá bêbada na hora que escrevi isso tudo, HAHAHAHAHAHAHAHAHA!

Marazzo: vc riu com o post, se você estivesse no msn, vc teria cagado de rir. Muita coisa estranha na tevê de madrugada. Legal é que chega uma hora que vc tá tão surtado que começa a comentar o que tá na tevê com quem estiver online no msn. Ou alguma outra coisa.

By the way, o nome da feira é FEIRA DO ROLO. E existe sim, eu lembrei do nome hoje de manhã. Olha aí o que quatro horas bem dormidas não fazem!

Perdido disse...

Smeagol bonziho, nos gostar do post não gostar meu precioso?

eu já dei meu coração, sapatearam em cima dele e me devolveram.

Ana P. disse...

Perdido, aka Smeagol: HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA! Atooooro gente doida!

Eu já dei meu coração, e nunca mais devolveram. E talvez, mto talvez mesmo, eu esteja chegando à conclusão de que não o quero de volta, não...

Gerundino disse...

Noite movimentada ein...

Acho que foi pra todos, ando desempregado e acordado a madrugada toda, sem ter o q fazer, MTV ajuda, música sempre ajuda.
Ontem a noite sai as pressas, 2 horas da manha pra buscar uma amiga minha que brigou com o namorado... E logo quem vai dar conselhos.. eu a pessoa que não se acerta com ngm. Mesmo assim, os problemas dela, a briga em si, pareciam tão simples. Queria poder trocar com elas os problemas, trocar o não ser amado, a falta de um amor.. por um amor e uma briga, jogar as alianças de compromisso ao chão, ficar preocupado com o outro, pareçe tão simples de se resolver.
Ouvi na mesma noite da pessoa que amo que somos pessoas de hemisférios diferentes.. pra mim sim um problema, pra outra pessoa pode não ser. Eu tambem sei a feira que você se refere, mas não lembro o nome.. alguma coisa swap. Poder me livrar desse problema e conseguiu um novo que pra nós paraçe fácil de resolver é um sonho.
Entendo o conceito de querer desistir e não conseguir, a verdade é que queremos, mas nos apegamos tanto a essa idéia de que tudo pode dar certo, que o positivismo que criamos nos cega e nos impede de ver a verdade, muitas vezes uma verdade arrasadora, que é a de que já perdermos, mas acreditamos tão cegamente em uma idéia porque somos sonhadores e o que nos mantem motivado é saber que são os sonhadores que realizam as grandes mudanças por que nunca desistiram.

Ana P. disse...

Gerundino, gerundino... teu nome está me lembrando alguma coisa que eu não estou conseguindo captar o que pode estar sendo.... hehehehehehehehehehe! Mas bate aqui parceiro! o/

Servimos para aconselhar e resolver os problemas dos outros, o nosso mesmo, néca de capitibiriba. O nome da feira é feira do rolo. Quer fazer um rolo? Troco seu sofrimento de amor pelo meu sofrimento de não sentir...

Não sei, não sei. Hoje não teremos madrugada online.

jujudeblu disse...

É, flor,
E eu que não consigo simplesmente ficar no MSN????

Essa palavra "epifania" fazia tempo que não ouvia. Quer dizer o quê, mesmo??? :~P

Bem, eu costumo escrever na terceira pessoa. Não acho que seja cult. Acho que é minha dificuldade de falar de mim dizendo "eu olhei e corri" então eu digo "ela olhou e correu" como se ninguém soubesse que ela, sou eu. O.o

Essa madrugada é minha! E vc tá dormindo! Eu sabia que isso ia acontecer...

Manu Cal disse...

seria tão bom se pudessemos trocar o coração por dois fígados. creio q seria mais útil.

jujudeblu disse...

Legal que eu e a Manu Cal não tivemos resposta!
Bacana! :~P

Ana P. disse...

Juju: gente, vc ficou sentida pela falta de resposta??? to tão na correria, que num tá dando mesmo pra responder à altura todos os comentários! Mas eu tento.

epifania
e.pi.fa.ni.aManifestação de Jesus Cristo aos gentios na pessoa dos Reis Magos que o vieram adorar. Comemorava-se esse acontecimento com a festa litúrgica da Epifania no dia 6 de janeiro. A partir da reforma do calendário litúrgico de 1969, celebra-se no segundo domingo depois do Natal.
Manu: eu já tô naquela fase que a solidão cansou tanto, que o que eu trocaria fácil era o meu fígado por um coração.

Ain, correria, correria!