sábado, 7 de novembro de 2009

Sentido

Então a gente taí, viva. Não parece, e eu juro que entendo todos os leitores que fugiram daqui, eu também fugiria. Eu fugi.

A questão é que hoje eu estive pensando que faz tempo que não escrevo meus textos, não posto no blog, não visito os blogs amigos, enfim, faz tempo que não vivo essa plena vida de blogueira, né? Mas tá.

Só queria dizer para esses meus dois leitores que eu tô bem. Entre mortos e feridos sempre eu me salvo, e eu tô bem. Cabeça cheia, coração e alma vazias, mas né... essa sou eu! E talvez por isso eu tenha evitado aparecer por aqui, para não reclamar demais, porque se tem uma coisa que eu odeio fazer, é reclamar da minha vida, ficar parecendo uma coitadinha.

E odeio fazer o blog diarinho, mas tá. Não é esse o ponto.

O ponto é.

A menina achou que não tinha mais sentimento nenhum dentro dela. Que se tornara seca, oca, vazia, incompleta. Que nada nem ninguém iria superar a perda que ela mesma provocara. A menina achou tanta coisa, que achou o sentido de novo. Achou o que faz sentido, apesar de não fazer sentido, e por causa de tantos paradoxos, a menina resolveu... deixar.

Deixar como tá, pra ver como é que fica. Ver se as coisas que ela pensa vão embora, ou se vão permanecendo e fazendo crescer a falta de sentido.

A menina sou eu. Eu não escondo mais quem eu realmente sou. Eu não escondo mais a minha falta de sentido. Eu só escondo esse turbilhão de sentimentos, porque apesar de fazerem muito sentido para mim, não faz sentido para os outros.

Sentir, sentido, sensação, sem par. Uma menina sem par. E nem por isso infeliz.

Se tem algo que não experimentei nessa vida, é o sentido da infelicidade. E assim pretendo permanecer, apesar de toda falta de sentido.

9 comentários:

Andarilho disse...

É isso aí, somos infelizes e pronto!

Ana P. disse...

Não é pra tanto, Andarilho. Acho que somos é muito confusos. Isso sim.

Andarilho disse...

Ok, então se vc não é, eu sou.

Gerundino disse...

To na mesma q o Andarilho, somos infelizes e pronto. Foda-se o mundo, se vc se sente vazia, qm sabe realmente esteja e nem tente preenche-lo que só vai se machucar msm.... Vai levando e espera q algum dia algo de certo.

Ana P. disse...

Gerundino, eu não me sinto vazia. Me sinto IDIOTA. Talvez não haja muita diferença, pois quando a gente tá vazio, age como idiota. Né?

No mais, desisto dessa carreira. Parto pra próxima, vou fazer como todos fazem. Não vou mais me importar!

Ana disse...

Flor, eu não fugiria de vc! juro...
beijos

Sofia Fada disse...

Quanto sentido encontrei por aqui...
parabéns, seu blog é ótimo!
bjs

Carina. disse...

"Deixar como tá, pra ver como é que fica."
Engraçado. Até a semana passada eu estava pra resolver um assunto que estava me angustiando, mas ele ficou tão gasto, mas tão gasto que cansei. Cansei e fiz exatamente isso: deixei como está.
Broxante é ver que tudo já voltou, e e eu estou frenética e perdida novamente. Sei lá. A gente deixa as coisas, mas a recíproca não é verdadeira.

Ana P. disse...

Ana: não fuja, então. Fique por aqui, tome um chá ou um café e me aguarde. Eu voltarei.

Sofia Fada: esses e muitos outros sentidos, sensações, sentimentos. Sempre. Seja bem-vinda!

Carina: a gente deixa as coisas, mas a recíproca não é verdadeira. E taí, com essa frase, eu me demito da arte de blogar, pq olha... queria ser sucinta assim.