sexta-feira, 12 de novembro de 2010

all of what remains

Não vim escrever nada de especial. Vim olhar pra tela branca e ver se consigo pensar em alguma coisa. Porque eu nunca tive a cabeça pensando em tudo e nada ao mesmo tempo como estou agora. Um mix.

Eu estou um mix.

Definiria como uma TPM prolongada. Quando alguém me pergunta se eu estou bem, respondo no automático que estou, mas minha cara diz logo que não. Daí perguntam se eu tô feliz, e eu digo que não sei, porque essa é a mais pura verdade. Nesse exato momento da minha vida, eu não sei dizer se estou feliz. Mas isso não quer dizer que eu esteja triste, porque definitivamente eu conheço tristeza, e o que eu tô sentindo também não é tristeza.

Mas não vim escrever nada de especial, vim só olhar pra tela branca e ver se consigo pensar em alguma coisa. Algo de produtivo, talvez conseguir uma grande sacada para a justificativa do TCC, talvez isso nem tenha importância agora, porque falta tanto tempo. Eu deveria perder esses minutos olhando pra tela branca pensando em como me tornar uma profissional melhor, ou mesmo se é isso que eu quero.

A verdade é que eu sou esquisita. Desculpaí se você ainda não tinha percebido isso, e me desculpem mais ainda aqueles que já sabiam de longa data.

Tem várias coisas que eu gostaria de dividir com vocês, sob o risco de parecer a velha chata de sempre que só sabe falar de um assunto. No caso de vários, mas sempre os mesmos assuntos. E é engraçado porque se isso ME incomoda, imagina a vocês. Deve incomodar pra caralho. E em geral eu não deveria ligar, porque eu sempre digo que cago para o que os outros pensam, mas isso não é verdade. Eu me importo. Eu me importo DEMAIS com o que os outros pensam. E tenho um medo tão grande de perder as pessoas, os leitores, os comentaristas, o emprego.

Tenho medo de perder, e afasto tudo isso de mim. Mas eu não vim escrever sobre nada especial.

Eu vim olhar pra tela branca pra ver se ela clareia um pouco a minha vida. Andar no meio das cinzas não me encanta mais. Passei muito tempo escondida na escuridão, e agora eu cansei da escuridão, mas estou com medo das luzes. Tenho que sair aos poucos pra não machucar os olhos, mas ao mesmo tempo estou habituada com o local onde estou e tenho medo do novo. Tenho medo de descobrir que gosto da escuridão, de sentir saudade dos dias cinzentos, de descobrir que eu estava melhor escondida, chata, ranzinza, afastando tudo e todos.

Acho que é isso. É isso mesmo o que me afeta. Quando você [qualquer você] me perguntar se eu estou feliz, eu vou poder dizer "ainda não sei". Que é bem diferente de não saber. Porque no ainda tem uma esperança incutida.

E quando você me perguntar do que eu preciso agora, eu vou poder dizer "ainda não sei". Sabendo que tudo o que eu preciso agora é que você não desista de mim. Eu sei, eu acredito e eu sinto que eu consigo ser melhor. Eu consigo viver na luz. Eu preciso.

5 comentários:

Van´s disse...

Eu vejo tanto de mim em você.
Lembro de um depoimento do orkut, que você diz que eu fico a todo momento querendo saber quem eu sou. Por isso eu mudava o about me toda hora!
E hoje, eu vejo você, a sua maneira, tentando descobrir quem você é. O que te faz feliz. O que você não gosta. E o que você quer.
Não vou te dar fórmulas secretas, porque estamos no mesmo barco. E pode parecer presunção da minha parte, mas eu sei que a minha partida daí, a minha vinda pra cá, foi uma inspiração para você. Eu também saí do cinza, e vim pra luz. Pode ser literalmente, mas é mais do que isso. Eu sei. Você sabe.
O que você não sabe ainda, mas vai saber, assim como eu tenho descoberto aos poucos, é que você abriga a LUZ! Você é essa luz forte e viva, que se escondeu por muito tempo, e agora está se "acendendo" novamente! E caralho, como eu curto ver, sentir, fazer parte disso. Porque eu enxergo isso tem anos, por isso estamos agora assim, nesse MIX de sentimentos bons, passamos por tantas turbulências, mas o que é maior, o que nos faz essência, é o que nos une.
Eu acredito em você, mais do que você imagina. E o dia que eu desistir de você, bem ... talvez nem minha alma exista mais.
Sei que essa última frase foi forte, mas forte também é o que eu sinto.
A tela branca, clara, está se completando de várias cores, porém a luz maior, é sua. E vai por mim, você está perto de encontrar!

"amor é pouco."

Van´s disse...

Caraca, senti um PUTA saudade agora! Que vontade de ir pro bar! rsrs

Andarilho disse...

Isso aí que vc tá sentindo é apatia.

Beatrix Kiddo! disse...

"Eu me importo. Eu me importo DEMAIS com o que os outros pensam. E tenho um medo tão grande de perder as pessoas"

Sem mais.

Ana P. disse...

@Van: olha, quero mto estar perto de encontrar... eu tenho dias bons e dias ruins, e sei lá, num tô curtindo mto essa vibe de montanha russa de sensações, hihihihi! Mas tudo vai dar certo. É o mantra da vez. Saudade é pouco. Amor é menos ainda.

@Andarilho: não gosto dessa palavra, apatia. Daí eu fui procurar no dicionário pra ver se era o que eu realmente achava que era, e né.

3 Teol Indiferença total em relação às coisas terrestres. 4 Filos Ausência de afetos e paixões.

Grande adjetivo esse. coube direitinho.

@Beatrix: somos duas. Sabemos disso, né?