quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Quando você sambalança...

Eles se conheceram numa pista de dança, o que no mínimo queria dizer que os dois sabiam dançar. Bom, era escuro, tinha aquelas fumaças que toda balada tem, tinha MUITA gente em volta, então não se percebia se os dois realmente sabiam dançar. Além disso tudo, era música eletrônica, o tipo de música que não exige muito de quem quer se soltar.

Mas ela gostou do que viu, e já foi chegando dançando mais pra perto. Ele gostou da bunda dela rebolando por perto, e foi se chegando mais, até que os dois estavam com o rosto bem próximo. E como acontece na maioria das baladas de jovens hoje em dia, eles nem se falaram nada e se beijaram. Dançando, ao ritmo da música. Como era música eletrônica, o beijo tava mais pra arranca-língua do que pra eu-sei-que-vou-te-amar.

A hora que a música acabou e as línguas se soltaram, eles riram, meio sem jeito, e então se apresentaram. Meu nome é fulano, ah, eu sou a ciclana. Não importa, o cenário mudaria pouco se fosse com você. Então ela afasta ele da pista de dança, encostam no balcão, ela pede refrigerante, ele pede uma cerveja. Ela já não gosta muito "ih, ele bebe cerveja", ele menos ainda, "ai, que riponga". Mas mesmo assim, eles insistem.

O dia-a-dia frenético das grandes cidades nos pede um porto seguro, e quando a oportunidade surge, você também não desistiria fácil.

Então ela pergunta pra ele se ele tá sempre por ali, e ele diz que sim, quase toda semana. Ela já se anima e diz "ah, então você gosta de dançar?" e ele pensa em todo o seu desengonço, seu jeito esquisito de se lançar na pista, pensa nas várias tentativas falhas de dar ritmo ao seu corpo. Ele imagina as várias vezes que recusou festinhas na adolescência, porque todo mundo ia dançar e ele nem sabia se mexer direito. Ele pensou no trabalho que daria namorar uma guria que dança muito, que adora dançar e que iria arrastá-lo até pra gafieira, pra ficar jogando-a pro alto.

Ele já cogitou a possibilidade da menina ser uma contratada da ex-namorada, a que adorava sambalançar. Ela queria fazê-lo passar pelo mesmo ridículo da última vez em que se viram, fatídico forró dos infernos, que o fez tropeçar no meio do giro e cair arrastando mesa e cadeira.

"Hey, tô falando contigo. Tu gosta de dançar então?"

"Não", e sai com a cerveja pra outra caça.

A menina, largada no balcão com o refrigerante, só pensa "bom, um a menos pra eu fingir que sou comportadinha e gosto de dançar". E pede pro garçom uma dose caprichada de vodka. Sem energético. Que ela não queria mais ficar na pista pulando pra nada. Aparentemente só ia achar gente doida ali. Melhor ficar no bar e pegar um bêbado mesmo.

Foi quando encostou no balcão, bem ali perto, um rapaz jovem, com um copo de whisky na mão. Ela gostou do que viu, e já chegou matando a vodka do lado dele...

8 comentários:

Andarilho disse...

A menina se disfarça toda e depois ainda quer que dure mais que uma foda? FAIL!

Ana disse...

Me dá seu e-mail pessoal...preciso te contar como conheci meu namorado hahahahahahahahahaha!!!!
Obviamente, assim como no post....o q a cachaça une, nem a ressaca desune!!!!
beijos

Cristal - a louca. disse...

Ráaaaa.

Conheço essa história. Se conheço...

Adoro as coisas por aqui dona.

Beijundas

Ana P. disse...

Andarilho: todos nós nos disfarçamos todo quando queremos alguma coisa. Ou vc acha que os solitários são solitários pq eles tb fingem? Nâo adianta, se vc quiser se relacionar com alguém, vc tem que fingir. Ponto.

Ana: xaráááá, meu email tá no perfil e é MSN tb! Mas passo no seu blog [que eu já to devendo váááárias visitas] e deixo o email nos comments!

Cristal: eu preciso conhecer essas histórias, ahuahuahuahuahuahuahuahuahua! Ou não, né, mais um bêbado pra minha vida, tô off!

Andarilho disse...

Por isso q eu to sozinho. E pelo jeito vou continuar assim.

Abaixo a hipocrisia da sociedade!

hauhauhauhau

Larie disse...

hipocrisia é o que faz a sociedade existir, VAMOS COMBINAR.

mas sei lá, se disfarçar geralmente não dá certo já que quem gosta de você é diferente de quem você quer e você não gosta da pessoa (que provavelmente também está fingindo montes de coisas) e enfim, todo um circulo vicioso de problemas.

(e é por isso que eu sempre acabo namorando amigos, depois que eles já me ouviram falar palavrão, falar sobre cocô, beber, rir escandalosamente e ainda gostam de mim)

Gerundino disse...

hahaha... adorei

Mas é assim.. fazer o que. Mas ver guria tomando coca-cola é muito foda.. da até uma broxada.. depois eu gosto, mas a primeira vez tem q ter uma cervinha pra liberar.

claudia lyra disse...

Cara, adorei esse texto! Ri muito, é bem por aí mesmo. Mas, vamô combinár, ninguém merece fingir que dança...