terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Morri

Em um determinado momento dessa vida, eu morri.

Não se assustem, eu ainda estou viva. Mas em determinada hora, em um segundo praticamente, eu olhei e puff, não estava mais lá, morri. Eu não era invisível, não era como se as pessoas olhassem para mim mas não olhassem para mim. Eu não estava aqui, eu estava morta. Eu estava em outro plano, estava em outra dimensão, não fui ao céu nem ao inferno, é como se tudo houvesse simplificado, e morrer fosse simples. Eu morri.

Eu olhei para tudo e nada mais fazia um sentido, eu não precisava de mais nada daquilo. Eu não sentia vontade de consumir mais nada, não tinha fome nem sede, nem uma vontade repentina de comprar o último lançamento em tecnologia. Não precisava mais me comunicar com ninguém, e ninguém conseguia se comunicar comigo. Eu não precisava mais trabalhar, não precisava mais do dinheiro, não terminei de ler um livro e não me senti mal por isso.

Na hora em que eu morri, eu simplesmente fui. Eu deixei de amar, eu tentava lembrar dele e de todo o sentimento bom que ele me deu, e nada. Não vinha absolutamente nada. Não era triste e nem feliz, eu apenas anulei qualquer sentimento, qualquer vontade, qualquer necessidade, qualquer visão, qualquer som. Eu morri.

Eu parei de pensar, e isso me deu uma paz. Morrer traz uma paz imediata que você não consegue sequer cogitar. Morrer, ao contrário do que você e toda a sociedade fica aí imaginando, é bom. É um descanso, uma pausa, é infinitamente perfeito. A perfeição que eu não alcancei em vida. Ou talvez o ápice da perfeição, quando você alcança a perfeição, imediatamente você tem que morrer.

Eu morri por pouquíssimo tempo. Não sei mensurar quanto, sei que uma hora me veio uma vontade de comprar, de pensar, de beber e de comer, de rir com os amigos, uma saudade... a saudade, que sempre esteve presente, ficou ausente por um tempo, esse tempo da morte, e então eu sobrevivi à morte. E veio a saudade, de alguém, de algo, da morte, de tudo. Vieram as pessoas, sorriram pra mim, perguntaram e responderam e falaram e gesticularam e riram e fizeram parte novamente de uma vida que eu abandonei por um tempo.

Quando eu voltei a viver, voltei a amar. Lembrei dele, dos outros, dos amigos, da família, de como tanto sentimento fez falta e eu sorri.

Porque morrer foi bom, foi perfeito, foi aliviante. Mas viver foi e sempre será intenso. E, pelo menos por enquanto, eu ainda prefiro a intensidade ao alívio.

12 comentários:

Andarilho disse...

Bah, morreu nada. No máximo ficou em coma.

Porque quem morre, não volta. E esse papo de Jesus ressuscitando é história da fada Sininho.

Ana P. disse...

Eu não morri, do verbo morrer, de partir dessa pra uma melhor.

Sentido figurado, sabe? Metáforas... e tal. Quetal?

Não?

Eu imaginei.

Andarilho disse...

Na minha opinião, uma metáfora muito ruim.

Ana P. disse...

Again, foi o que eu imaginei.

É que no meu entendimento, de mim pra mim mesma, fez todo um sentido.

Mas bah, que importa, tô bebendo, isso sim importa, hihihihi!

Andarilho disse...

Larga esse Chimay, mulher. Em plena terça feira, hauhauhau

Ana P. disse...

HUAHUAHAUHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA!!!

Gente, você responde MUITO RÁPIDO!

Ana P. disse...

huahuahauhauhauhauhauhauhauhauhauhuahua!!!

Melhor é eu mandando o comentário antes de terminar, mas assim, que eu ia falar que SÉRIO, nem imagine que a cerveja ia me dar toda essa vibe felicidade, HAUHAUHUAHAUHUAHUAHUAHUAHUAHUA!

Andarilho disse...

Tá virando conversa de boteco, isso aqui.

Ana P. disse...

Tá bom, parei, hihihi!

Andarilho disse...

Só ficou faltando o 'te considero pra caralho'

Ana P. disse...

HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUA!!!

Nem vou falar nada, senhor Andarilho. Você sabe, PORRA, bêbada ou não, te considero pra caralho.

HUAHUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHAUHUAHUA!

[e se você soubesse um tiquinho mais de mim, saberia que não, nem tô bêbada]

=)

Carina. disse...

Oi, dá licença?
Fiquei inibida em comentar aqui no chat line. hahaha!

Nham...Vi alguma semelhança com o meu texto "Ameno". Mas a 'moral da história' do seu foi mais agradável.
E isso não é propaganda pro meu blog, ok. Eu vi semelhança mesmo. hohoho. x)